quarta-feira, 11 de outubro de 2006

Existem ainda... seres humanos admiráveis!

Dora nasceu para sofrer. Há dois meses, no entanto, saiu-lhe a sorte grande quando o destino desta cadela se cruzou com o de Isabel Lopes, vice-presidente da Associação dos Amigos dos Animais Abandonados da Moita (AAAAMoita).

“Encontrei-a à beira da estrada, desfalecida. Estava cheia de dentadas de pit bull”, conta a enfermeira, cuja experiência lhe permite afirmar com convicção que a cadela serviu de isco para lutas entre cães. Hoje, Isabel e Dora nutrem uma adoração mútua que se percebe à léguas. E, depois de tudo o que passou, a vida finalmente sorri a esta cadela. Mas Dora corre o risco de voltar a ver dias mais tristes. Isabel explica porquê: “Estamos com sérios problemas com o vizinho do terreno ao lado e agora é a sério porque soubemos que já está em processo de activação uma ordem de despejo contra a AAAAMoita”. Se a situação se confirmar, isso significa que 350 cães e gatos ficarão sujeitos a um futuro que “só Deus conhece”.
O Canil/Gatil da AAAAMoita encontra-se num terreno descampado junto ao rio há 15 anos. No entanto, Isabel só faz parte da equipa há cinco. Os problemas surgiram três anos depois da sua chegada, com o vizinho do terreno do lado ao comando de uma queixa feita à Quercus. “Alegou que isto era prejudicial para a saúde pública, por falta de higiene”, lembra Isabel, que defende: “Só não temos melhores condições porque desde que foi feita a queixa não nos deixam fazer obras”. Revoltada, garante ainda que o vizinho quer é vê-los pelas costas. “Por detrás disto estão jogos sujos que ele não quer que ninguém veja”, deixa no ar.
Independentemente do vizinho ter razão ou não, na altura a AAAAMoita recebeu ordem para desocupar o terreno em 15 dias. Mas os membros da associação bateram o pé e têm levado a melhor. Até à semana passada. “Soube, por portas e travessas, que chegou uma carta à Câmara a exigir que tirem os animais”, conta Isabel, que agora teme que o pior aconteça. “Nós já temos um novo terreno para colocar os animais. O problema é que o material que tínhamos angariado para a construção das casotas foi-nos roubado e agora não temos dinheiro para voltar a comprá-lo”, adianta.
Mesmo assim, a AAAAMoita prefere arriscar para evitar uma desgraça. Por isso, vai pôr mãos à obra no próximo sábado, dia 14. “Vamos mudar o máximo de animais para o novo espaço, estarão melhor lá do que num outro sítio qualquer que nem quero imaginar”, afirma. E lança o desafio: “Vamos precisar de muitas mãos para transferir os animais. Apareçam!” Já agora, quem quiser, já sabe, pode sempre adoptar um novo amiguinho.
"PARA ISTO É PRECISO VESTIR A CAMISOLA "Isabel Lopes adora animais. Enfermeira de profissão, não tem problemas em confidenciar que o ordenado que ganha vai todo para dar uma vida melhor aos seus “amiguinhos”. Ao fim do mês, não lhe sobra nada. Como vive? “Com a roupa que tenho no corpo”, afirma, despreocupada. O que recebe em troca? “A felicidade deles”, responde prontamente. “Não é fácil”, admite. Mas garante que compensa.
A AAAAMoita abriga e alimenta 350 cães e gatos. As condições não são as melhores, mas são as possíveis. “Eu até queria ter isto mais arranjado, mas desde há dois anos que não me deixam fazer nada por causa do processo”, adianta a enfermeira que, mesmo assim, vai fazendo o que está ao seu alcance: “Dou-lhes atenção e alimento-os.” E não é pouco. Para ter uma ideia, por dia, o canil/gatil gasta 130 quilos de granelado. “É preciso vestir a camisola”, garante Isabel: “Despi a do Futebol Clube do Porto para vestir a da AAAAMoita”, brinca.
Janete Frazão